Era Manguinhos

(1932 – 1962)

A crise financeira inviabilizava a manutenção do AEROCLUBE BRASILEIRO.

Entregou-se então a direção do aeroclube a uma Comissão composta dos senhores PAULO VIANNA, CEZAR GRILLO e ANTONIO GUEDES MUNIZ.

Em 16 de março de 1932 foi realizada uma Assembleia Geral Extraordinária homologando os poderes para o triunvirato. Nessa mesma Assembleia foi aprovada a proposta do então Major GUEDES MUNIZ mudando o nome da entidade para AEROCLUBE DO BRASIL.

Os terrenos de Manguinhos foram definitivamente eleitos pela comissão para o preparo do novo campo de aviação do Aeroclube. A ocupação do terreno se deu por consentimento tácito das autoridades federais e municipais, sem documento formal. A causa era justa e contava com a simpatia de todas as autoridades, principalmente do Presidente GETULIO VARGAS.

O INSTITUTO OSWALDO CRUZ permitiu que fosse desbastado pequeno relevo em seus terrenos e PAULO VIANNA tomou a si a obra de aterro do manguezal, sempre com a participação de seus companheiros de comissão.

Em 1936 o triunvirato deu por terminada sua missão. Os primeiros aviões pousaram! Manguinhos era uma realidade. Renascia o Campo de Aviação dos sonhos dos fundadores do Aeroclube Brasileiro, especialmente de RICARDO KIRK. Lá estava agora como Presidente o Almirante VIRGINIUS DELAMARE, que em 1917, então tenente, tentava com BENTO RIBEIRO fazer voar a Escola Nacional de Aviação, lá nos Afonsos.

Graças à inauguração de Manguinhos com o prestígio da presença do então Presidente GETULIO VARGAS, tomou impulso a “SEMANA DA ASA”, criada em 1935 pelo Aeroclube do Brasil e pela Comissão de Turismo Aéreo do Touring Clube do Brasil.

Foi numa festiva “Semana da Asa” Organizada pelo Aeroclube do Brasil em Manguinhos que se consolidou a ideia do então Ministro da Aeronáutica SALGADO FILHO, de criar a Campanha Nacional de Aviação, contando com o poderoso e entusiástico apoio do grande jornalista ASSIS CHATEAUBRIAND e que resultou na criação de quase três centenas de aeroclubes por todo o Brasil.

Do Aeroclube do Brasil, saiu a grande maioria dos instrutores que viabilizaram a implantação das escolas de pilotagem dos novos aeroclubes, então criados como resultado da Campanha Nacional de Aviação. Em Manguinhos, foi realizado o 1º Campeonato Brasileiro de Acrobacia.

No final da década de 50 surgiram problemas administrativos muito sérios e o aeródromo de Manguinhos foi interditado sob a alegação de interferência com o tráfego aéreo do Aeroporto Internacional do Galeão e do Aeroporto Santos Dumont.

Sem poder utilizar as instalações de Manguinhos, por 10 anos o Aeroclube funcionou numa pequena sala cedida por um dos sócios e se dedicou a pugnar pelas novas instalações previstas para o mesmo local em que no final da década de 20 existia o Campo de Latecoere em Jacarepaguá e que deveriam compensar a tomada do campo de Manguinhos.

Em 1967, lutando contra o tempo para conseguir o novo campo de aviação, evitou-se que o AEROCLUBE DO BRASIL fosse transformado em “Aeroclube da Guanabara” por força do DL nº 205, de 27/2/1967, obtendo aprovação no Congresso Nacional da Lei 5.404, de março de 1968, alterando o artigo 5º e criando o parágrafo 2 para reconhecer o pioneirismo histórico do Aeroclube do Brasil:

O Aeroclube do Brasil, fundado em 14 de outubro de 1911, a primeira entidade da aviação brasileira com existência legal, por seu pioneirismo e pela implantação da mentalidade aeronáutica a que deu curso, é considerada integrante das tradições nacionais na área da aeronáutica”.

A História do Aeroclube do Brasil

Intimamente ligada aos primórdios da aviação no país. Conheça um pouco mais a respeito da nossa instituição e saiba porque somos considerados o berço da aviação brasileira.

Copyright © 2016 Aeroclube do Brasil - Tema personalizado por @cristianoweb.